Viagem ao Paquistão
Com Francisco Agostinho
De Lahore até às montanhas Hindu Kush
30 Set a 17 Out 2022
18 dias | 1780€
Seguinte
Viagem ao Paquistão
1 / 1

Entrar em contacto connosco #Agendar Viagem

Preenche os campos
  • Formato da data:DD barra MM barra AAAA
  • Especificações

  • Contacto de Emergência

  • Dados de Faturação

  • A informação recolhida serve apenas para dar resposta via e-mail e/ou telefone. Não guardamos essa informação em nenhuma base de dados.
| Aventura
| Cultura
| Fotografia
Dificuldade: 6/10
Conforto: 5/10
Cultural: 8/10
5-12 pessoas
Viagem ao Paquistão
30 Set a 17 Out 2022
18 dias | 1780€
A viagem
O Paquistão é um dos países que mais tem impressionado alguns intrépidos viajantes nos últimos anos.
Além de um património histórico imenso por explorar, é um país com uma diversidade cultural imensa, e muitas vezes incompreendido, é um país recente e ainda com feridas que a história lhe vai infligindo, todavia somos surpreendidos sobretudo pela hospitalidade e pelo desejo de muitos paquistaneses em demonstrar o lado positivo do país. E é esse o mote da nossa viagem, “um Paquistão positivo”, o Paquistão de que não se ouve nas notícias, dos sorrisos, do bem vindo, das paisagens incríveis de montanha, sem esquecer a sua rica e muito temperada culinária.
O Paquistão é também um país imenso, quisemos assim nestes dezoito dias, e sem pressas, dar a conhecer o maior contraste possível de povos e paisagens, começando em Lahore no Punjab, para depois mergulhar na menos visitada Peshawar, de maioria Pashtun, e de seguida vasculharmos o povo Kalash e as montanhas do norte, terminando na “cosmopolita” capital Islamabad.
Percurso
  • Dia 1 | Lahore (chegada)

    Este é o dia reservado para a tua viagem ao Paquistão

    Deverás chegar pela madrugada pelo que o melhor será fazeres o check-in e ter o descanso merecido. Os próximos dias serão de aventura.

  • Dia 2 | Lahore

    Lahore é a segunda maior cidade do Paquistão, e a capital da província do Punjab, e mencionada muitas vezes como a capital cultural do país, abrigando maior parte dos festivais de artes, cozinha, cinema e música.  Diz o ditado Punjabi que: “Aquele que não viu Lahore ainda não nasceu”. Todo o dia será passado a visitar o centro histórico.

    Começamos tomando o pequeno almoço tradicional na rua Anarkali e recheamos o dia visitando lugares como a imponente Mesquita Wazir Khan, o forte, a Mesquita Badshahi e o parque Iqbal onde podemos confirmar o espírito generoso e hospitaleiro dos Lahoris. Há muito para ver em Lahore.

  • Dia 3 | Lahore-Fronteira de Wagah-Lahore

    Os parques e a botânica também são uma característica da cidade, cedo deambularemos pelos jardins de Shalimar e o jardim botânico Jallo, uma boa forma de descomprimir depois de “levarmos com “Lahore e o Paquistão em cima” no primeiro dia.

    De tarde rumamos até Wagah, a 25km de Lahore, uma localidade dividida a meio aquando da “partição” da grande índia para assistir à cerimónia do hastear da bandeira na fronteira.

  • Dia 4 | Lahore-Peshawar

    Hoje o dia será passado em viagem até Peshawar. Pelo caminho visitamos Hiran Minar, um complexo monumental do império Mogol do início do século XVII, construído em homenagem ao antílope do imperador Jahangir.

    Ainda antes alcançarmos Peshawar, conhecemos os Templos de Shri Katas Raj, um conjunto de vários templos hindus conectados entre si circundando o lago Katas, considerado sagrado pelos hindus.

    A chegada a Peshawar será já no fim da tarde dentro pelo que nos resta jantar, fazer o check in e descansar.

  • Dia 5 | Peshawar

    No quinto dia da nossa viagem conhecemos Peshawar, a capital da província de Khyber Pakhtunkhwa e a sua maior cidade. É a sexta maior cidade do Paquistão e a maior de maioria Pashtun, situada a leste da mítica passagem de Khyber. É considerada por muitos como a cidade mais antiga do Paquistão e uma das mais antigas do sul da Ásia. Foi um grandioso centro da rota de comércio entre a ásia central e o Afeganistão.

    Hoje estamos pelo centro histórico e claro que começamos pelo bazar Qisa Khawani, que dizem ter mais de mil anos de história! “Dobramos a esquina” e visitamos e impressionante Mesquita Mahabbat Khan, um excelente exemplar da arquitectura da era Mogol. O que restar da tarde embarcamos até um dos lugares mais míticos na rota da seda.

  • Dia 6 | Peshawar

    Sugerimos uma visita hoje ao Museu de Peshawar, construído em 1905 pelo império britânico, era conhecido pelo “ Victoria hall memorial”, e o seu edifício que é uma amálgama de arquitectura Mogol asiática, britânica, budista e hindu. A sua colecção de arte Gandhara é o destaque.

    Após almoço conhecemos a casa da famíla Sethi, um edifício histórico do século XIX com madeira talhada e pintada que não te deixará indiferente.

    Certamente que o forte Bala hissar já te terá chamado à atenção aquando da chegada à cidade, todavia é apenas hoje que lhe prestamos homenagem. Palavras como “poderoso” ou “brutalista” podem ser as primeiras a usares para adjetivar o monumento.

  • Dia 7 | Peshawar-Ayun (Chitral)

    Hoje a viagem é longa mas bem cénica. São quase quatrocentos os quilómetros percorridos desde o vale de Peshawar, atravessando o Lowari Pass (ou através do novo túnel) até chegar ao antigo reino de Chitral. A paisagem foi mudando e estamos na cordilheira ocidental do país.

    Chegamos ao fim da tarde pelo que restará fazer o check in relaxar ao som do silêncio das montanhas do norte do Paquistão e rio Bomburet.

  • Dia 8 | Ayun-Vale de Kalash

    O Vale de Kalash é habitado por um povo que acredita ser descendente das tropas de Alexandre, O Grande. Falam a língua Kalasha, da família indo-ariana.

    São apenas alguns milhares e lutam para preservar as suas tradições, é o mais pequeno grupo étnico do Paquistão. São politeístas e realizam vários eventos para celebrar momentos como as colheitas, o verão ou a primavera. Não obstante muitos Kalashi em tempos terem sido convertidos à força ao islamismo, hoje em dia, uma franja luta por manter vivas algumas tradições. Ainda assim a fuga dos mais jovens atraídos por novas profissões, e modos de vida mais confortáveis é neste momento a principal causa do possível desaparecimento futuro deste grupo étnico.

  • Dia 9 | Vale de Kalash

    Acordamos e caminhamos em redor do vale visitando as várias aldeias. A seguir ao almoço, terás o teu tempo e podes desfrutar da aldeia e do povo que te acolhe. Encontramo-nos em hora a combinar para partir até Chitral onde pernoitaremos. Já em Chitral, se houver disponibilidade e o universo conspirar a nosso favor, poderemos assistir a uma partida de polo de montanha.

  • Dia 10 | Vale de Kalash (Chitral)-Mastuj

    Chitral é a capital de distrito, e também outrora principado que apenas incorporou o Paquistão Ocidental em 1969. A estrada que nos leva até Mastuj “obriga-nos” a sair cedo. Será porventura uma das viagens mais belas e dramáticas da nossa viagem, enquanto subimos o vale de Mastuj avistando os picos Tirich Mir (mais de 7000m) e Boni Zong. Concerteza que o cenário nos irá demorar pelo que chegaremos ao fim do dia. Havendo tempo, caminhamos e desentorpecemos as pernas.

  • Dia 11 | Mastuj- Shandur Pass-Vale de Yasin

    De modo a quebrar a viagem em dois que nos leva até ao distante vale de Hunza, hoje atravessaremos o Shandur pass a cerca de 3800m de altitude onde paramos para beber um chá, e se quiseres podemos caminhar até ao planalto Langer onde iaques pastam. Descemos de seguida até ao vale de Yasin, nas montanhas Hindu Kush. Prepara-te, não haverá rolo de máquina suficiente para captar a beleza deste Paquistão.

  • Dia 12 | Vale de Yasin-Gilgit-Hunza

    O Vale de Hunza está aí à porta, mas antes ainda passamos e quiçá almoçaremos por Gilgit, cidade fronteiriça e comercial, considerada em tempos o posto mais avançado do império. Podemos visitar o cemitério cristão, e o movimentado bazar onde se encontram pessoas vindas de norte e do sul da ásia.  O que restar da viagem até Hunza promete. Ao longe avistaremos o grande Monte Rakaposhi, sobrar-te-ão palavras?

    Ao fim do dia chegaremos a Hunza rodeados da magnificência das montanhas. Diverte-te!

  • Dia 13 | Hunza

    Acreditamos que vais querer acordar cedo e contemplar a paisagem em teu redor. Acordamos cedo para ver o nascer do sol desde o “Eagle nest”?

    Estamos a cerca de 2800m de altitude e com vista panorâmica para sete picos acima dos sete mil metros! Nesta manhã vistamos o forte Baltit, património UNESCO e o forte Altit, almoçaremos pelo centro da vila, e de tarde não será descabido caminhar tranquilamente ao longo do rio e de seguida, quem estiver interessado dar uma volta pelas lojas locais onde haverá muito para comprar.

  • Dia 14 | Hunza-Khunjerab Pass-Hunza

    E se hoje fôssemos até à fronteira com a China? Pelo caminho haverá muitas paragens certamente, e o dia irá ser preenchido visitando o Lago Attabad, formado devido a um gigantesco deslizamento de terras em Janeiro de2010 e também outros miradouros obrigatórios.

    Regressamos ao fim do dia ao vale, já carregados de memórias. O melhor será aproveitar o jantar pois não vais querer sair daqui.

  • Dia 15 | Hunza-Naran

    Neste dia tomaremos a espetacular e mítica estrada “Karakoram highway” que nos leva ao destino final Islamabad. De forma a que a viagem não se torne demasiado longa interrompemos a nossa demanda em Naran, cidade de maioria pashtun com um bazar interessante que nos convida a ver a vida a passar, quem sabe bebendo um café de uma das varandas, começando a recordar as várias aventuras que carregamos connosco até ao final, que se aproxima.

  • Dia 16 | Naran-Taxila-Islamabad

    A nossa jornada está a terminar, mas não é todos os dias que se visita o Paquistão por isso esmiuçaremos também a sua capital que está na nossa rota. Antes, paramos nas ruínas de Taxila, que nos explicam as etapas do desenvolvimento urbano de uma cidade do vale do rio Indo submetida sucessivamente às influências Persas, gregas e da Ásia Central. Desde o século V a.c. até o século II foi ainda sede de uma importante escola budista. O lugar é património UNESCO desde 1980.

  • Dia 17 | Islamabad

    Hoje é o último dia. Estamos na capital deste país constituído há pouco mais de setenta anos depois da turbulenta “partição” vivida com o seu maior rival do cricket, a índia.

    Temos a oportunidade de visitar a famosa Mesquita Faisal uma das maiores da Ásia e do mundo, e um dos monumentos de homenagem à fundação do país. Mas como gostamos sempre de ir mais além, propomos visitar a vila de Saidpur, situada no sopé das colinas Margalla em redor da cidade, um belo exemplo de um povoamento da era Mogol.

    A hora de despedida aproximar-se-á pelo que o jantar será servido e o fim desta nossa aventura pelo Paquistão está aí à porta.

  • Dia 18 | Islamabad (partida)

    O teu vôo será de madrugada pelo que resta-nos desejar-te uma boa viagem e um bem-haja pela tua confiança.

Detalhes
Incluído na viagem:

17 noites de alojamento | Hotel ou guesthouse em quarto duplo/twin

Todos os pequenos-almoços
Acompanhamento do líder 100 Rota
Acompanhamento de líder local
Todos os pequenos almoços
Todos os transportes, incluíndo transfers (se dentro das datas do programa)
Todas as entradas nos monumentos/locais mencionados no programa

Não incluído na viagem:

Vôos internacionais | a partir de: 600€ (valor indicativo)

Alimentação não especificada (cerca de 15€/dia)
Actividades não incluídas no roteiro | Quarto individual
Despesas pessoais
Seguro pessoal | recomendamos IATI Seguros de viagem

Perguntas frequentes
Basta um adjetivo, adorei!

Novembro 2021
Teresa C.
Sultanato de Omã
Acho que o Francisco representa aquilo que deve ser um líder de viagens. A viagem foi surpreendente.

Novembro 2021
Pedro R.
Sultanato de Omã
O Francisco com a sua serenidade transmite-nos segurança e tranquilidade. Sereno mas também divertido e profissional.

Novembro 2021
Adélia G.
Sultanato de Omã
A viagem ao Omã surpreendeu-me a todos os níveis. Nunca tinha feito este tipo de viagem e foi mesmo uma experiência a recordar pela positiva.
Obrigada Francisco.

Dezembro 2021
Farida S.
Sultanato de Omã
O Francisco revelou-se um líder que sabe como poucos aliar o profissionalismo ao companheirismo em viagem. É muito melhor quando assim é.

Junho 2021
Nuno M.
Viagem aos Balcãs
A viagem na minha opinião foi muito bem estruturada e planeada. Quero também agradecer a eficiência e o profissionalismo e amizade do líder. Certamente não ficaremos por aqui. Um bem-haja.

Maio 2021
José C.
Viagem Sul dos Balcãs
Testemunhos